sábado, novembro 21, 2009

Cinco estágios para a dor

Negação. Ira. Negociação. Depressão. Aceitação.

Diz-se por aí que perante a morte, todos nós passamos por pelo menos dois, independentemente da ordem, independentemente da intensidade. Perante qualquer sofrimento, diria eu, se quisermos entender a morte como o fim de algo em definitivo.

Nunca se está preparado para determinados graus de sofrimento.

Para o momento em que metemos os nossos pais num carro para nunca mais voltarem à sua casa, dizendo para nós próprios repetidamente que essa é a coisa certa a fazer.

Para o momento em que as opiniões se chocam e se dizem coisas, e se fazem coisas que conseguem pôr em causa relações que se diriam impossíveis de abalar. Deixando cicatrizes para o resto da vida.

Para o momento em que a morte se apresenta de tal forma real que se diria ser possível estender a mão e tocar-lhe, e de repente tudo o que nos resta é a escuridão de se estar à porta de um hospital pela madrugada fora, a rezar a um Deus que não se sabe bem se existe, mas ainda assim rezando porque já nada mais resta, a não ser suplicar por misericórdia.

Para o momento em que novamente temos que dar tudo de nós, esgravatar no fundo do poço os restos de ânimo e de disposição, para tentar corrigir o que já sabemos que não tem conserto, mais uma viagem pelo túnel sem que se veja a luz ao fundo.

Para os poucos de vós que se perguntem as razões de tanto tempo de silêncio, saibam que tenho andado algures entre a negação, a ira, a negociação, a depressão e a aceitação. Vou saltando de uns para outros, como diz nos livros que acontece às pessoas, e tem sido assim o passar dos meus dias.

É que ao longo deste ano que passou, não me tenho conseguido livrar das coisas que sou capaz de aguentar. Vai melhorar, eu sei. Um dia destes. Mas por enquanto, ainda não.

6 comentários:

Pedro Aniceto disse...

Um abraço

Cleiton disse...

sugiro a visita e leitura do site
www.caiofabio.com

abraços

Val Moreira e Luci Rocha disse...

Cara Blimunda,
Entrei em contato com seus escritos quando procurava algo que me aliviasse a maldita comichão provocada pela candidíase. Como você mesma sabe, em seu texto não me foi possível encontrar algo que me fizesse resolver o problema nem de forma paliativa, porém deparei-me com um estilo literário que me fez ler até o fim, esquecendo-me até mesmo da coceira que me atacava na ocasião. Seu humor ácido e inteligente fez-me cócegas no raciocínio e por isso parei para ler um pouco mais de seus textos nesses dias. Tornei-me uma admiradora de seu estilo. Espero mesmo que as coisas se resolvam para vc da melhor forma. "Viver é muito perigoso", como disse meu preferido Guimarães Rosa... Mas estamos aqui para isso. Meu otimismo é pouco!! Então que venham as tristezas e todas as "bichas", pois sei que os pessimistas têm mais condições de resolver problemas!! Abraços e não se entregue...
Luci

blimunda sete luas disse...

Caros Val Moreira e Luci Rocha,

Obrigada pelos elogios, votos de melhoras. :-)

Sofia disse...

Vim aqui ter pelos mesmo motivos que o Val Moreira e Luci Rocha (ainda em luta :-S) e também me tornei leitora assidua.
Este é um tema que o meu cérebro censura. Não imagino sequer a mágoa e impotência. Era optimo que, a certa altura, pudessemos congelar o tempo...
Força.
Beijos

Monstro Das Bolachas disse...

Negação. Ira. Negociação. Depressão. Aceitação.

Vem ai mais um ano... e ha coisas que não se ultrapassam...apenas se sobrevive, um dia de cada vez...