sábado, maio 12, 2007

Memorial do Convento


Aqui esta grande doente de Saramago foi ver "Memorial do Convento", que está em cena no Palácio Nacional de Mafra até 30 de Junho.

Para já, acho que qualquer companhia de teatro que pônha pés ao caminho para adaptar ao Teatro um romance do Saramago, agarram-se a uma empreitada gigantesca, porque nunca é com duas ou três penadas que se adaptam textos com aquela profundidade. Do meu ponto de vista, merecem louvor desde logo, pela coragem.

Fui ver em tempos, ao Teatro da Trindade, a adaptação do "Ensaio sobre a Cegueira", e fiquei pasmada com a criatividade cénica que foi criada para aquele espectáculo, assim como com a capacidade que tiveram na altura de resumir o texto todo, mas mesmo todo.

Neste "Memorial do Convento", exalto sobretudo o trabalho dos actores. Especialmente do Flávio Tomé, que compõe um Padre Bartolomeu de Gusmão de tal forma marcante, que acho que vai passar a ficar a imagem do seu personagem na minha cabeça de todas as vezes que voltar àquele texto. É o maior elogio que lhe posso fazer. A evolução do personagem ao longo da peça é excelente. O espectáculo no seu todo, é muitíssimo bom.

De resto, tudo assenta no texto, que é aquela obra de genialidade do princípio ao fim. E quando as palavras dos actores citavam o livro, fazia-se um eco qualquer dentro de mim, que não sei porquê, as palavras que percorrem aquele romance, os acontecimentos reais e irreais que por lá são relatados, tudo aquilo me comove de uma maneira que vai muito além de qualquer fruição literária.

As primeiras lágrimas caíram-me quando se ouviu em "off" a mãe de Blimunda. A partir daí foi uma choradeira constante, quando veio o sermão do Padre Bartolomeu, já à beira da loucura, questionando-se se são os homens que estão em Deus, ou se é Deus que está nos homens, e que seja como for, estar Deus nos homens depende sempre da vontade destes últimos, e que nesse caso, o homem é mais que Deus, porque não há Deus sem a vontade dos homens. E no final, quando a Blimunda vai entre os espectadores a perguntar se alguém viu o Baltasar, que há nove anos que o procura, porque por mais vezes que leia a história, que a oiça contar, de todas as vezes é como se fosse a primeira, nunca deixa de me doer o que o destino tem guardado para Baltasar e Blimunda.

"Sabes tu o que é ser homem e mulher? Ninguém sabe."

"É a vontade dos homens que segura as estrelas. É a vontade dos homens que Deus respira"

Hoje vai-me custar a adormecer...

10 comentários:

Para sempre, Maria disse...

Concordo. Também gosto muito do Memorial.
Vou aproveitar a dica.

Vânia Sousa disse...

Muito legal, quem dera tivesse uma peça assim aqui no Brasil.
Sou apaixonada por Saramago tb, comecei com Memorial do Convento, passei por Jangada de Pedra, As Intermitências da Morte e Ensaio sobre a Cegueira, mas ainda falta muito e tb falta tempo.
Mas a arte dele é muito marcante e mto geniosa, amo e ele é meu grande autor.
Parabéns pelo blog.

blimunda sete luas disse...

Cara Vânia, a seguir "ataque" O Evangelho segundo Jesus Cristo. E se estiver interessada em conhecer um pouco do que era Portugal antes do 25 de Abril, recomendo o Levantado do Chão. É um dos meus preferidos.

F4 disse...

E nós que vamos ter um exame sobre isso =/ Mas pronto, não há-de ser nada...
Fica bem e passa la pelo cantinho

Rita disse...

Comecei a ler Saramago com "Todos os Nomes". Seguiu-se um dos livros mais geniais que já li, "Ensaio sobre a Cegueira". Depois "Ensaio sobre a Lucidez", "As Intermitências da Morte", "O Evangelho Segundo Jesus Cristo", "O Ano da Morte de Ricardo Reis". O "Memorial do Convento" foi o único livro que já li que me fez chorar. Quando acabou...com aquela bela frase final, com a alma de Baltasar preso à terra e a Blimunda já eu estava numa choradeira pegada.
Foi a mais bonita história de amor que já li.

Desculpa ter invadido.
Beijo*

Cláudia Faria disse...

Olá
Obrigada pelo comentário ao espectáculo, obrigada por ter vindo ver a peça e ainda bem que gostou. Eu nunca tinha lido Saramago até me ser proposto em Janeiro fazer de Blimunda, entretanto já li 2 vezes o livro e cada vez gosto mais da obra. è uma emoção fazer esta mulher, viver em palco o amor por aquele homem, acompanhar as loucuras do padre e voar primeiro que ninguém...

Volte sempre que quiser, prolongámos a carreira doo espectaculo até ao fim de Julho, aos sábados e domingos às 18h no mesmo local, e para o ano cá estaremos disponiveis durante a semana, para as escolas e para o publico que tiver oportunidade de o ver às 14h 4ª, 5ª ou 6ª feira.

ps.:penso poder agradecer também o elogio ao padre bartolomeu aka Flávio Tomé, ele ficará bem orgulhoso...

de blimunda para blimunda um grande bem-haja...

Ricardo disse...

Foi com grande agrado que li o seu comentário sobre a peça de teatro do Memorial do Convento que está a decorrer no Palácio Nacional de Mafra.Eu trabalho no Paácio de Mafra e eu também faço uma visita sobre o Memorial do Convento, tentando motivar os alunos para a leitura, que neste caso é uma obra digna de se ler... e sempre que leio e releio o livro fico cada vez mais apaixonado por este romance. O Saramago está de parabéns por todo o seu trabalho de investigação histórica e por todas as comparações que faz entre a sociedade portuguesa do século XVIII com a nossa de hoje em dia.... e o engraçado é que ao ler o Memorial reparamos que nós não evoluimos assim tanto...
No que respeita à peça de teatro, eu próprio já assisti 2 vezes à mesma e das duas vezes vieram-me as lágrimas aos olhos... Adoro o livro e dou também os meus parabéns a todos os actores.

Mirian Carla Villaça Barbosa disse...

Ola, sou brasileira e profunda admiradora do Saramago.

Gostaria de apenas compartilhar a minha admiração com vocÊs compatriotas desse mestre o/

sara disse...

adorei o vosso espetaculo, a peça esta mt bem representado(graças aos bons actores).
comprimentos para todos,e nao se esqueçam de sonhar sempre mais alto

Ela disse...

Olá!
Eu dia deste tive a oportunidade de ver esta peça e só tenho uma coisa a dizer:" Simplesmente genial".
O que eu gostava de saber é o nome da companhia destes actores, e onde, se posso, encontrar fotos deste espectáculo.