terça-feira, junho 26, 2007

A operação da mãe

Em linguagem médica, foi uma histeroctomia, devido a um prolapso do útero. Em linguagem de gente, foi preciso remover o útero da minha mãe, porque ele descaíu e saiu para fora do corpo. Em linguagem de família, há já muitos meses que a minha mãe estava a perder faculdades básicas na nossa frente, a um ritmo diário, e para além do sofrimento físico que a coisa lhe provocava, vinham também por arrasto a depressão, a baixa auto-estima, o desinteresse por si própria e por aquilo que a rodeava. As ondas de choque provocadas por este problema alastraram por toda a família, a começar pelo meu pai, que é o que está mais perto, e que também inspira cuidados de saúde, já que o senhor não é propriamente um jovem. Desde que ela nos deu conta deste problema, em Novembro do ano passado, tem sido uma fase muito difícil, de muito desgaste para nós todos.

A operação foi ontem, e felizmente correu tudo bem. Hoje já a encontrei bem disposta e animada, feliz por se ver livre daquele peso que a empurrava, literal e figuradamente, para baixo.

Persistem muitas preocupações. Há muitas mais coisas que vemos que não estão bem e que têm que ser acompanhadas, há ainda muitas dúvidas sobre quais as sequelas desta intervenção no futuro, e portanto, não dá para fazer grandes festas. Mas pelo menos, esta corrida de obstáculos para a fazer chegar à operação o mais rápido possível, já a conseguimos concluir.

Hoje é tempo de respirar fundo e esperar que, como dizia Gabriel Garcia Marques num dos seus livros, "Deus nos livre daquilo que somos capazes de aguentar".

4 comentários:

marília disse...

As melhoras. Ela agora precisa de algum mimo e muita paciência :)

Um beijinho

Pedro Aniceto disse...

Aqui a Maria Fernanda ficou impecável depois de submetida a idêntico tratamento. Até uma ligeira incontinência urinária se resolveu com a operação (a incontinência provinha do prolapso uterino que pressionava a bexiga). Ficou apenas uma ligeiríssima alteração física no fluxo urinário fruto da intervenção mecânica na musculatura. Mas duas semanas depois já refilava comme d'habitude o que foi um excelente sinal. Um abraço e votos de rápida recuperação.

Butterfly disse...

Votos de rápidas melhoras, com um grande beijinho para uma mãe.

Raquel disse...

Espero que recupere muito depressa e bem!

E essa frase dá muito que pensar, "Deus nos livre daquilo que somos capazes de aguentar"...