quinta-feira, agosto 11, 2005

Duas mulheres e um carro sem gasóleo

- Xô Dona Blimunda, preciso que vá comigo a Lisboa...

(fazendo vénia até ao chão):
- Com certeza, xô Dona Doutora Assessora, Excelentíssima e coiso! Vou imediatamente buscar uma viatura que nos carregue a ambas as duas por estes caminhos fora até ao destino!

(raios partam esta m..., era só o que me faltava, já não bastava o calor, agora ainda tenho que aturar isto, ainda por cima não gosto nada de conduzir em Lisboa, que sou uma valente azelha sem o menor sentido de orientação...)

(Viatura na mão, aqui vamos nós. Viatura sem gasóleo, logo, paragem na bomba mais próxima para meter. Gasóleo.)

- Ó xô Dona Blimunda, então estamos há vinte minutos paradas na bomba porquê? Assim nunca mais chegamos a Lisboa, e eu sou uma mulher ocupadíssima, não posso estar aqui assim!

- Pois... A xô Dona Doutora e etecetera vai-me desculpar a minha incompetência e incapacidade de corresponder às suas expectativas, mas eu para meter gasóleo tenho que abrir a portinhola lá de fora que permite enfiar a coisa no coiso, e eu até sei que aqui por dentro deve haver um botão que faz isso, só que como sou muito burra não estou a dar com ele, por acaso a xô Dona Doutora na sua incomensurável sabedoria não saberá onde é que está o botãozinho?... Também não?... Pois, realmente, é uma chatice, mas olhe que o botão deve estar mesmo aqui por perto, de certeza...

(mas onde é que se meteu o &%?!$# do botão, que &%?!$#! Estou capaz de "#$%& esta ?/&%$# toda, o meu carro tem o botão mesmo aqui... MAS PORQUE É QUE NÃO FAZEM OS CARROS TODOS IGUAIS? MAS PORQUE É QUE O COLEGA QUE COSTUMA ABASTECER OS CARROS DE SERVIÇO E FAZER AS VEZES DE MOTORISTA FOI DE FÉRIAS? ONDE É QUE ESTÁ O C&%$#"& DO BOTÃO?)

- Ah! Achei o botão! Estava mesmo aqui, do lado oposto àquele onde eu estava a procurar...

(cinco minutos depois da meia hora que demorou a encontrar o botão que abriu o depósito do gasóleo)

- Já podemos ir, xô Dona Doutora. Eu vou é com um ligeiro pivete a gasóleo, que o manípulo quando eu peguei nele, foi com um bocadito de força a mais, eh eh eh, já estava um bocadito enervada e tal com isto do botão, e o coiso de meter gasóleo tinha um bocadito de combustível residual que saiu disparado, eu ainda me desviei, mas um braço e as mãos, foi inevitável, mas não se preocupe, está tudo controlado, agora vai correr tudo bem, na pior das hipóteses quando for a hora de regressar apanhamos uma operação stop...

... o que veio a verificar-se. Ele há dias...

5 comentários:

diasdemae disse...

E eu a pensar que apenas tinha escapado à cena de fazer de motorista à xô Dona Doutora!!!
Livra!!!!!!

Bart Simpson disse...

Ele há dias do catano...
Mas gostei que no meio de tanta "acelaração" e nervosismo, a motorista ainda tenha conseguido dizer "residual" e com tanta verborreia...

Pois Claro Sou EU disse...

Eu acho que já utilizei esta expressão, mas aplica-se muito bem novamente.
Duas mulheres, doutouras, loiras...
Uma com o complexo de inferioridade (devido à altura)mas no resto achando-se uma grande coisa...
Outra, que até nem é má de todo, com complexos de orientação completamente fundamentados...
Moral da história, safou-se a outra mulher, também doutoura, mas pasme-se.... esta não é loira...

Ainda dizem que trabalhar não é um encantamento... A propósito deste maravilhoso encantamento já registei os meus boletinzinhos do totoloto, Euromilhões incluídos, ah...ah...ah....

Anónimo disse...

querida.....talvez, se tivesses sido espertinha(muito inteligente para umas coisas....mas para outras.....?)terias ido ter comigo ou então tinhas-me ligado a pedir para eu falar com o santo antoino, pois talvez assim ele te desse uma mãozinha!!!!!!

Ps:se não fosse a dele, pelo menos a do menino.....

P disse...

Excelente. Essa doutora parece aquilo a que a minha avó chama "Amor de pessoa". Dá-le! :-)