sexta-feira, janeiro 26, 2007

Desabafos sobre a IVG

Quando comecei a visitar blogs, este foi um dos que me prenderam a atenção de imediato. Infelizmente chegou ao fim, era muitíssimo bem escrito e mostrava a visão do ser humano que muitas vezes os médicos deixam escondida.

Neste sítio encontram-se duas histórias que, do meu ponto de vista, acabam por completar-se. Ora vejam:

Ela não quer saber
"Tem 21 anos. Está internada no serviço de Puérperas porque nasceu o seu segundo filho. Sabe o que quer, queria ter estes dois filhos, foi tudo planeado. Não foi a uma única consulta com a Médica de Familia ou com um Ginecologista. A gravidez não foi vigiada, não tendo feito qualquer análise ou ecografia ao longo da gravidez. A meio do período gestacional foi internada por ameaça de parto pré-termo, abandonando em seguida o hospital contra as recomendações dos médicos. Alguns meses depois nasceu o bebé, prematuramente. Quando questionada sobre anticoncepção diz que vai tomar a pílula. Pela evidente irresponsabilidade que apresenta sugerimos que colocasse um implante subcutâneo, que a impedirá de engravidar durante 3 anos. Recusa, diz que é muito nova. Basicamente, é daquelas pessoas que "não quer saber". Não quer saber a opinião dos médicos, não quer saber se a gravidez é normal, não quer saber se o bebé está bem ou não, não quer saber se o bebé fica bem ou não. Não quer saber, pura e simplesmente. Sabe o que quer, de momento quer sair novamente do hospital, apesar de ser ainda cedo.Voluntários para dar dois pares de estalos? Eu não posso..."

Permito-me deixar só uma deixa, a discussão fica em aberto, obviamente: A esta mulher, não há Lei nenhuma que a leve a um tribunal ou que a condene. O corpo é dela, a decisão é dela, pode ser negligente à vontade nas suas gestações, e eu pergunto-me, que direito à vida é este, e porque é que também não hão-de haver formas legais para impedir estas atitudes?

E depois, a outra face da moeda:

Já fez abortos?
"Esta pergunta não é feita todos os dias... Não é, também, feita por todas as pessoas. No entanto, os médicos precisam muitas vezes de saber se uma determinada mulher já fez interrupções voluntárias da gravidez (IVG), pelo que é uma pergunta frequente no consultório de um Médico de Família. As respostas, essas, ficam lá dentro. Antes de ser estudante de medicina, não sei se por ser muito novo e inocente ou por contactar pouco com estas realidades, não fazia ideia se eram muitas ou poucas as mulheres que abortam. Devo dizer que fiquei surpreendido com o que encontrei: uma enorme percentagem das mulheres acima dos 25 anos já fez uma IVG. Arrisco afirmar que provavelmente mais de metade das mulheres já o fez... Este número não decorre de nenhum estudo estatístico (se os há), mas apenas do que me apercebo no dia a dia da prática clínica.Antes de chamar a Ana, uma mulher de 42 anos, a minha tutora deu uma vista de olhos no processo. Rapidamente recordámos a história: tinha estado na consulta há cerca de três semanas, grávida. Tinha entrado descontraidamente no consultório com um teste rápido positivo. Na altura pedimos análises laboratoriais e uma ecografia obstétrica. Assim que saiu do consultória a minha tutora afirmou categoricamente: "Vai fazer um aborto.". Era já mãe de dois rapazes, e não tinha planeado engravidar. Não usava qualquer método anticoncepcional apesar da insistência da minha tutora na consulta de planeamento familiar.A minha tutora disse-me "Queres ver como fez um aborto?" e chamou a Ana. Entrou no gabinete com o mesmo ar descontraido da outra vez. Sentou-se, e disse: "Tenho uma coisa que se calhar era melhor falar só com a doutora...". A minha tutora respondeu-lhe que eu já sabia o que era, podia contar à vontade... Confirmava-se: tinha tentado abortar. Foi ao Ginecologista/Obstetra em consulta particular fazer a ecografia obstétrica que tinhamos pedido na consulta anterior, onde confirmou a presença de um saco gestacional. Nada contou ao Ginecologista da sua intenção, e comprou os já famosos comprimidos abortivos (aqueles que servem para as patologias do estômago). Desconheço como obteve acesso aos comprimidos (mas reconheço que não deve ser nada compicado, com mais ou menos dinheiro...), mas ingeriu-os na quantidade que lhe foi recomendada pela vizinha. Pouco tempo depois teve uma pequena hemorragia. Explicou: "Da última vez tinha feito no bidé, e vi sair qualquer coisa. Desta vez não tive coragem, e fui para a sanita...". Não me surpreendi com a recorrência da situação, uma vez que as pessoas facilmente se habituam a utilizar o aborto como "método anticoncepcional"... Já não tinha tido mais perdas de sangue, dores ou corrimentos desde então, e vinha agora pedir as análises laboratoriais que confirmariam o sucesso do aborto. Observei-a, e facilmente senti o fundo uterino. Das duas uma: ou tinha um útero grande ou ainda estava grávida. Não tinhamos o relatório da ecografia obstétrica para tentar avaliar a existência de miomas, uma vez que ela tinha queimado o relatório na lareira para apagar os registos daquela gravidez. Qualquer que fosse a situação, uma certeza eu tinha: aquela gravidez não iria seguir por muito mais tempo... Passámos nova ecografia, desta vez "mascarada" de ecografia pélvica. Pensando alto afirmou que teria que ir a outro Ginecologista, não queria contar ao primeiro o que tinha sucedido. Afirmou ainda que se houvesse algum problema iria às Urgências do Hospital fazer uma "raspagem", mas naturalmente não iria contar a verdade. Expliquei-lhe que tal como nós naquele consultório, também os médicos da Urgência não são polícias. Não nos compete, como médicos, julga-la. Mas é importante que tenhamos em mão toda a informação possível para a tratar convenientemente. Lembrou a mediática história do enfermeiro que denunciou às autoridades uma doente que tinha abortado. Relembrámo-la que o enfermeiro em causa tinha sido penalizado por quebrar o sigilo profissional a que estava obrigado, e que as queixas tinham por isso sido retiradas. Encolheu os ombros, sorriu, e disse que fosse como fosse a situação se resolveria. E saiu, com descontracção semelhante àquela com que havia entrado."

Esta história fala de muitas coisas. Fala de uma pessoa que pelos vistos recorre ao aborto como método anti-concepcional, o que obviamente não é bom. Mas a verdade é que a Lei, tal como está, não impede as pessoas irresponsáveis de terem um comportamento irresponsável. Para ultrapassar estes problemas será necessário trabalhar noutras frentes. O que eu mais retenho, sempre que leio esta história, é o seu final. Que tudo se resolverá. Que de uma maneira ou doutra, uma mulher não queira ser mãe, não vai ser. E enquanto esta Lei estiver como está, há pessoas a enriquecer em grande estilo à custa do aborto clandestino, há mulheres a serem exploradas num momento de grande fragilidade, e depois há muitas delas a engrossarem a despesa do Estado, porque quando as coisas correm mal é lá que vão parar para acabar de resolver.

Educação sexual? Com certeza. Planeamento familiar? O mais possível. Apoio social às famílias que optam pelo nascimento das crianças? Evidentemente. Mas nada disso está actualmente em discussão, pois não?

A Lei actual é injusta, penalizadora, discriminatória. Não protege a vida de ninguém, nem dos que cá estão, nem dos que estão para chegar. Do meu ponto de vista, o VOTO SIM é a forma mais responsável, enquanto cidadã, de defender o direito à vida. Uma vida com mais igualdade, descomplexada, livre de preconceitos morais e religiosos, uma vida com dignidade. Para todas e para todos.