segunda-feira, janeiro 01, 2007

Para 2007

Desejei, claro. Toda a gente deseja, porque não eu? Este ano as primeiras coisas que desejei foram o reflexo das minhas principais preocupações. Mais saúde, mais dinheiro. Alguém ao meu lado acrescentou, "mais homens!". E agora a correr os blogs vi que a minha amiga Xana pediu para ter sorte.

Fiquei a pensar nisto. Eu também devia ter pedido isso, porque raio é não me ocorreu? A resposta é simples: eu nunca me lembro da sorte porque isso é coisa que para mim é como se não existisse. Sabem aquela canção brasileira, "se há sorte, eu não sei, nunca vi"?. Pois. Estou tão habituada a que a minha vida seja uma espécie de corrida de obstáculos, e que cada objectivo alcançado seja tirado a ferros, com muito tempo de esforço e de sofrimento, de tal maneira que às vezes o destino só me concede as coisas porque é vencido pelo cansaço, que eu nem me dá para pensar em conseguir as coisas à conta de mera sorte.

Por isso, aqui vai atrasado mais este desejo para 2007: alguma coisa que eu deseje alcançar, que ao menos uma vez na vida me caia do céu aos trambolhões, fácil, fácil, sem esforço absolutamente nenhum, à conta da mais despudorada sorte. Para eu saber como é que é isso, essa coisa de se ter sorte.

Agora fiquei com uma vozinha cá dentro a dizer, "cuidado com o que desejas, que a Deusa pode conceder-to". Está bem, prontos. Que seja. Mas então, ficamos assim: saúde, dinheiro e sorte. Obrigadinha.

5 comentários:

Bart Simpson disse...

também quero disso. compreendo-te bem, muito bem.

Pois Claro Sou EU disse...

Idem, idem """""""""""""

Anónimo disse...

de:antonio cosme

basta saúde,o resto você corre atrás.
um abraço.

mamã Xana disse...

Eu que também nunca tive direito a nada fácil ("caído do céu aos trambolhões"), ainda vou acreditando um bocadinho na sorte... Assim peço-a sempre, relembrando-a que ando por aqui e espero que mesmo sendo aos bocadinhos ela nos vá visitando. :)

SUSHISTICK disse...

Realmente deve custar (ao íntimo, ao fundo) pedir algo tão vago e difuso. Haja é vontade para pedir essa vontade.