quinta-feira, janeiro 04, 2007

Desgaste rápido

Para todos os que consideram que a profissão de futebolista é de desgaste rápido...

... Experimentem trabalhar numa Autarquia Local.

E já agora, não deixem de estudar só porque dão uns pontapés numa bola, que assim quando a carreira de futebolista acabar talvez não sejam uma cambada de inúteis, e preparem-se mas é para o que têm que fazer da vidinha depois do futebol se acabar.

E no entretanto paguem o mesmo que os outros, que deve ter ficado muito boa gente no desemprego, saídos da Opel, que viram de repente as suas carreiras profissionais interrompidas, vão ter que começar tudo do zero, e não me consta que tenham tido qualquer regime especial de impostos.

Coitadinhos dos futebolistas. Tenho tanta peninha deles. E se fizerem greve, que grande transtorno que isso vai trazer à minha vida e à da população em geral, o caos nos transportes, nos hospitais, nas repartições públicas, vão faltar bens essenciais nos supermercados...

Haja paciência.

8 comentários:

Pois Claro Sou EU disse...

Concordo inteiramente, mas neste País de anedotas, já agora, e se não fosse pedir muito, eu gostava mesmo que fizessem greve, pá malta rir à farta, qual Contra informação qual quê, a realidade a ultrapassar o humor, isso é que é.

F Ribeiro disse...

Calma é preciso ter calma.
Por acaso já alguem reparou que foi só esse senhor do sindicato que falou?
Ainda não ouvimos a openião de um unico jogador.
Não seria interessante?

manualdedeus disse...

o máximo que poderia acontecer era o aumento demográfico daqui a uns meses. porque sem o jogo da bola para ver na tv o espectador acidou teria que se entreter com a sua esposa.
"querida, hoje não há bola, os gajos estão em greve... por isso vá anda cá!" que romântico.

virilão disse...

Concordo, mas queria deixar um reparo dos meus…
A Greve é por “norma” um último recurso que penaliza primeiramente o trabalhador que a ela recorre, pois, não lhe é pago o dia, seguidamente penaliza a entidade patronal, que o contratou para produzir algo (que provocará riqueza ao empregador). E posteriormente haverá os chamados danos colaterais, etc.

O problema dos jogadores até está, ao que julgo saber, já resolvido, como sempre, fez-se um malabarismo qualquer e vai ficar mais ou menos na mesma, como tal descansa que não te vais rir da greve dos homens
Aproveitando o embalo do meu reparo, chamo também a atenção, para a maneira como vemos a greve: quando é para nos “defender” a nós, é justa, por mais que prejudique os outros, quando é dos outros, é o normal egoísmo e inveja, tão portugueses, que as torna injustas e “aproveitamento” dos lesados grevistas.
Nota: felizmente, egoísmo e inveja, não são, a meu ver, defeitos teus, mas estava a generalizar, até porque a greve da função pública também prejudica 3.ºs e nem por isso deixará, aos teus olhos (e aos meus), de ter razões para ser feita.

blimunda sete luas disse...

Virilão do meu coração: a questão é justamente que uma greve desta maltosa é completamente parva! Longe de mim contestar o direito que eles têm a fazê-la, isso para mim é sagrado, façam lá a greve que eles quiserem!

Mas quando uma determinada classe faz greve tem sempre pelo menos dois objectivos: um, manifestar o seu descontentamento por algo; dois, fazer valer a sua importância enquanto classe para a sociedade em geral e causar alguns transtornos, claro, como forma de pressão contra algo. Se os futebolistas fizerem a tal da greve, vão causar transtorno a quem? Mesmo os gajos que gostam da bola e que poderiam ficar aborrecidos com a falta do entretenimento, a verdade é que não passa disso: entretenimento. Entretenimento que paga menos impostos que tu, que exerces uma profissão essencial para qualquer pessoa, pelo menos até que o teletransporte seja finalmente inventado.

A greve deles é tão justa como outra qualquer. O que não é justo, e espero bem que seja corrigido, é que os senhores andem a descontar menos do que eu. Aliás: eu até estou capaz de entrar em greve enquanto isso não for resolvido! :-)

Bart Simpson disse...

tou contigo blimunda. faço a greve contigo.

virilão disse...

Gostei das primeiras 4 palavras! ;-)

Eu greve não faço, mas vontade não me falta.

Vevila disse...

Isso é que se chama, no Brasil, "ordem de prioridades". Que seria de nós se não fossem os jogadores de futebol? Abraços brasileiros.

P.S.: Coloquei um link a seu blog no meu. =)