sexta-feira, outubro 21, 2005

Todos os homens são maricas quando estão com gripe

É mais uma letra daquele álbum do Vitorino, com letras de António Lobo Antunes.

Inspirada pelas notícias da gripe das aves e por alguns casos da vida comum, aqui fica mais esta pérola:

"Pachos na testa
Terço na mão
Uma botija
Chá de limão
Zaragotoas
Vinho com mel
3 aspirinas
Creme na pele

Dói-me a garganta
Chamo a mulher
Ai Lurdes, Lurdes
Que vou morrer
Mede-me a febre
Olha-me a goela
Cala os miúdos
Fecha a janela

Não quero canja
Nem a salada
Ai Lurdes, Lurdes
Não vales nada
Se tu sonhasses
Como me sinto
Já vejo a morte
Nunca te minto

Já vejo o inferno
Chamas diabos
Anjos estranhos
Cornos e rabos
Vejo os demónios
Nas suas danças
Tigres sem litras
Bodes de tranças

Choros de coruja
Risos de grilo
Ai Lurdes, Lurdes
Que foi aquilo
Não é chuva
No meu postigo
Ai Lurdes, Lurdes
Fica comigo

Não é o vento
A cirandar
Nem são as vozes
Que vêm do mar
Não é o pingo
De uma torneira
Põe-me a santinha
À cabeceira

Compõe-me a colcha
Fala ao prior
Pousa o Jesus
No cobertor
Chama o doutor
Passa a chamada
Ai Lurdes, Lurdes
Nem dás por nada

Faz-me tisanas
E pão de ló
Não te levantes
Que fico só
Aqui sozinho
A apodrecer
Ai Lurdes, Lurdes
Que vou morrer"

3 comentários:

Detritus disse...

Confesso, desfaço-me em ranho quando estou com gripe. Por outro lado, sou como os gatos: prefiro que me deixem morrer sozinho. Detesto mimos quando estou doente. Devo ter a mania que sou muito macho. Vou falar disto ao meu psiquiatra. Obrigado, Blimunda.

Pois Claro sou EU disse...

Nada a acrescentar, só um poeta para pôr assim uma realidade que muitas de nós já viveu.
E viva o Sexo forte.

Joaquim Varela disse...

Presente! Eu costumo ser maricas duas vezes por ano!