domingo, novembro 06, 2005

Um padre improvável (II)

E de moldes que lá fui eu, ouvir o Padre Mário falar dos livros dele. Com os livros por ponto de partida, foi um bom exercício de abertura das consciências. Muita blasfémia. Aquele homem blasfema que se farta.

Diz que o pecado original é uma coisa parva que nunca existiu realmente, e que como o pecado original é uma aldrabice, Jesus Cristo também não veio ao mundo para redimir ninguém. Diz que a Igreja tal como está organizada, não tem nada a ver com o que Jesus ensinava. Falou dos padres que recomendam em média umas dez almas por missa, se fizermos as contas a 15 € por alma, fica o padre com o dia ganho, quanto às almas, que ganharão elas com isso. Falou do sistema de recolha de dinheiro que existe em Fátima, que suga as moedinhas, uma maravilha da técnica para bem da caridade, que separa imediatamente o dinheiro graúdo do miúdo, o coloca em sacos, ao fim do dia está tudo prontinho a depositar.

Achei muita piada, que a dada altura falou de como Jesus gostava de estar à mesa, sendo este o lugar que considerava mais privilegiado para a troca de ideias. Um pouco mais tarde na conversa falou dos seus tempos de seminarista, e de como na hora da refeição era imposto o silêncio, quebrado apenas pela leitura em alta voz de um qualquer texto bendito. Diz que esta Igreja já não presta, e que a única coisa que resta fazer é acabar com ela.

Falou muito de liberdade. Daquela que só é possível quando lemos, ouvimos, conversamos, e depois pensamos pela nossa própria cabeça, que esta última parte é que é muito difícil e pouca gente está para aí virada. Uma liberdade que olha para o sistema e denuncia o que está mal. Mesmo que incomode. Mesmo pagando por isso, que o sistema não gosta de quem o põe em causa. Nunca gostou, aliás. No fundo foi por isso que Jesus foi crucificado, por causa de incomodar o sistema.

O Padre Mário nunca foi excomungado, mas segundo a própria opinião, nunca o foi para que não recaiam ainda mais atenções sobre si. Em contrapartida, o Anuário da Igreja, onde constam os nomes de todos os padres de todas as dioceses do País, não o inclui a ele. Não tem Paróquia nem consta na lista, faz de conta que não existe. Pela calada, sem dar nas vistas que a inquisição já lá vai, o coice está dado. Diz que não se rala com isso. Fora da Igreja faz melhor o que considera ser a sua missão.

Fala de um Jesus Cristo que é desconhecido de muita gente, e desgraçadamente, é desconhecido de muitos católicos. Fala de se ter a fé de Jesus, ao invés de se ter fé em Jesus.

Comprei para mim O Outro Evangelho Segundo Jesus Cristo. Trata-se de uma “tradução actualizada e anotada” do Evangelho de Jesus segundo São Marcos, um dos quatro Evangelhos Canónicos, presumivelmente o mais antigo de todos, escrito apenas 12 a 14 anos depois da morte de Jesus. Palavras do autor, “Jesus, o de Nazaré, não tem praticamente nada a ver com Jesus, o do Império Romano de Constantino, nem com Jesus, o da Cristandade Ocidental que se lhe seguiu, nem com Jesus, o da Cúria Romana dos nossos dias, nem com Jesus, o das seitas pseudocristãs milagreiras (…)”. Fui-lhe pedir para me assinar o livro e eis o que escreveu: “E agora que vamos fazer com este Jesus? Vamos ser como ele?”.

Para já, vou continuando a ler coisas sobre ele, coisa que de facto venho fazendo há anos, pese embora sem qualquer tipo de fervor religioso. Digamos que é um interesse muito grande, que no entanto não é justo classificar de apenas académico. Se calhar, é um fascínio pelo mistério, a sensação de que há mais na história de Jesus para conhecer e compreender.

O Padre Mário diz coisas com muito sentido. Vale a pena conhecer o que ele tem a dizer, acho eu. Pareceu-me um gaijo cumadeveser.

6 comentários:

Joaquim Varela disse...

Caramba! Malditas sejas por ainda por cima aumentares a minha sensação de perca!

Quando é que o homem sái de Macieira de Lixa (apesar de todos os caminhos irem lá dar) e vem de novo aos arredores da Capital, praticar o desporto da heresia, que é um dos meus favoritos, apesar de não ter as bases mínimas para sustentar toda e qualquer argumentação?

Pois Claro Sou EU disse...

Reconhecendo a superior informação dobre estes assuntos, que este Senhor tem de certeza quando comparado comigo, e não querendo por isso parecer demasiado pretenciosa, digo:
"Gosto quando existem pessoas a concordar comigo".
Que existe algo de transcendental a todos nós, é assunto de que já não duvido, e de que tenho bons motivos para acreditar.
Mas não preciso de nenhuma "organização", "instituição" ou seja lá o que fôr para saber isso. Nem deixar moedinhas, obviamente.
Gosto especialmente da importância dada à liberdade do debate das ideias, e o conhecimento e reconhecimento, da inércia pensatória do nosso pessoal.
Quanto a este assunto e a outros, o pessoal é tratado como "carneirada" porque essa forma lhe é particularmente conveniente. Depois, ser tudo graças a Deus é do Best, e como não pensam, Deus ou Jesus é na maioria dos casos o maior Bode Espiatório do Mundo.
Bute lá pessoal por as cabecinhas a pensar sozinhas, porque não doi nada, e é muito bom para a sociedade em geral e para cada um em particular.
Tenham por isso cuidado, não apareça algum esperto para se aproveitar da vossa inércia penstória, que depois não vai adiantar nada andarem a gritar: ai Jesus!

mamã Xana disse...

Pois comigo é assim:
Sou Baptizada.
Frequentei a Catequese.
Fiz a primeira comunhão e a solene.
Não fiz a crisma.
Casei pela Igreja.
Baptizei a minha filha.
E até já mandei rezar missas! Numa paróquia pequenina, para ter (quase) o exclusivo...

Mas não frequento a Igreja, não vou à missa, não comungo e tento não bater com a mão no peito!

Não acredito na Instituição "Igreja", mas acredito nos Sacramentos. Emociono-me quando entro nos Santuários (fora das datas de confusão), no silêncio aproveito para reflectir e para agradecer as bênçãos que já recebi.

Já pedi ajuda, já prometi, cumpri as promessas.

Tenho fé em Deus, acredito em Jesus, em Maria... mas tudo à minha maneira!

patologista disse...

Pois eu ouvio-o na última Festa do Avante! onde esteve a lançar o seu último livro.
E já o fotografei uma vez em S.Pedro da Cova, zona miserável dos suburbios do Porto, onde apesar de não ter paróquia fazia um excelente trabalho junto de quem verdadeiramente precisa.
Não sou crente, mas com padres como o Mário de Oliveira, conseguia compreender melhor a igreja.

Carla Marques disse...

Eu só não percebo o que é que alguém tão independente está a fazer na instituição Igreja. Ele não precisa dela para nada e ela não precisa dele. Para quêm um casamento de conveniênica que, ainda por cima, não convém a ninguém? Não faz sentido alguém pertencer a um clube, a um partido ou a uma instituição com o qual não se identifica. Pode-se fazer o bem sem se ser religioso e pode ser-se religioso e não fazer bem nenhum a ninguém. Pode ser-se cristão e não se se identificar com nenhuma das igrejas cristãs, o que não se pode é afirmar-se de determinada igreja e depois estar em total desacordo com ela. O que me parece é que a tendência vai sendo cada um procurar deus ou o que quer que seja de (aparentemente) transcendental por si só. E quando todos percebermos a diferença entre religião e espiritualidade, quando todos percebermos que não percisamos de intermediários para nos encontrarmos, aí vai ser o fim das religiões tais como as conhecemos. Mas, infelizmente, há sempre quem não consiga ou não queira pensar por si, que precise de ser levado pela mão e é desses que essas instituições vão vivendo.

Zoo Manager disse...

Afinal a tua vida não é assim tão desinteressante...

;)