terça-feira, julho 19, 2005

Momento religioso


Meu Deus! Ouve as minhas preces! Já que não me deste a beleza, ao menos, por favor, nunca me faltes com a noção do ridículo!

8 comentários:

Pois claro sou eu disse...

Não está de todo bem ilustrado, a realidade diária por vezes é bem pior.
Como ando um pouco crítica por causa das calças de ganga (herdei este problema...), ainda hoje vi uma figura que deve ter comprado as calças sem discutir, e que, a saber:
- Falta calças em quase todo o lado.
Pouco tecido se via porque:
- a dobra de carne sobrante na parte da frente tapava as calças existentes desse lado.
- a vista traseira, dada a excedência de carne (os já falados laterais superiores) também se sobrepunham ao já limitado tecido.
Enfim, este problema tem que ficar resolvido o mais tardar até amanhã,que eu já não aguento andar a olhar para os colaterais femininos (mantenho o olhar atento nos masculinos, nem tudo está perdido)...

Nelson Santos disse...

Também acho que já vi bem pior, nomeadamente quem acha que as suas carnes ficam bem esprimidas com uns jeans e a deitar por fora até aos joelhos...

Joaquim Varela disse...

Ó cara amiga! Então, mas então que é isto?! Hein?! Mas, mas, mas... quer-se dizer... estou sem palavras, prontos! Não se percebe de todo - tirando a parte do ridículo - o conceito que está por detrás deste texto...

Como nota final e é a única coisa que me ocorre de momento, tal o choque que este texto em mim produziu, que esta moça que está na foto até nem é feia! Tem é aquilo a que se chama, um pouquito de excesso de peso! Um pouquito é favor! Livra!

Rosa disse...

Digo-vos que até gostei da foto. Por acaso repararam que a rapariga tem um ar simpático, sorridente e até fez pose para a foto? Não? Pois claro, repararam logo é que não é a Sofia Aparício, não é?

blimunda sete luas disse...

Procurando facilitar a vida ao Varela, que não conseguiu apanhar o tal do conceito, acrescento, depois da frase em post:

"... que é para eu nunca dar comigo a fazer figuras destas."

O problema não é o tamanho da rapariga, é sobretudo a roupita que ela escolheu... Do meu ponto de vista Deus foi muito ingrato com ela. Não lhe deu grande coisa de atributos físicos e ainda por cima também não lhe deu a noção do ridículo. É muita injustiça!

Joaquim Varela disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Joaquim Varela disse...

Respondendo por partes é assim:

Cara Rosa: Eu reparei nisso tudo, do sorriso e do ar simpático e alegre. E por falar em Sofia Aparício, é das tais escolhas masculinas óbvias, que por mim dispensaria na maior das calmas.
Tanto reparei nisso que referi que a moça até nem é feia. Quanto ao resto, eu julgo que casos destes se tratam verdadeiramente de grandes infelicidades. Não concebo quem atinja proporções destas, sem se ter a infelicidade de ter algum desarranjo hormonal. Felizmente também, parece que já existe nos dias que correm, soluções na medicina, para resolver casos destes. O problema é a fila de espera e o dinheiro que isto custa, dado que o nosso tão "querido e amado Estado" não vê nisto um problema de saúde - e ele é-o de facto e a vários níveis.

Quanto à dona aqui da tasca. Não precisavas de acrescentar rigorosamente mais nada, porque eu percebi muito bem tudo, logo de início. Tenho QI de 2 digítos, mas ainda consigo alcançar alguma coisita... Não muita, mas faz-se o que se pode. Mas muito obrigado na mesma

Nota que eu até refiro que percebo muito bem o "ridiculo".

Agora o que não se percebe de todo é a menina a fazer figuras destas!Enfim... faltam-me agora as palavras para rebater o absurdo, mas um dia destes eu explico melhor ;)

PELAMORDEDEUS!

diasdemae disse...

Descontracção... Elevada Auto-estima... Pouca ligação às convenções que muitas vezes se tornam prisões...
Às vezes acho que nos falta um pouco de tudo isto... quando ainda por cima estamos longe dos níveis de gordura apresentados pela moça em questão!