terça-feira, julho 05, 2005

Amargos de boca

Os doces são um vício como outro qualquer. Manter bons hábitos alimentares é uma questão de disciplina, de mentalização. Aparentemente é simples mas não é, sobretudo quando cai do céu aos trambolhões (leia-se: da casa da mãe) uma caixa cheia de bolinhos miniatura que têm esta capacidade espantosa de nos invadir o cérebro antes mesmo de os metermos na boca. E lá ficam eles, a chamarem-nos do frigorífico, a insinuarem-se, com mil promessas de eterna felicidade que a gente sabe que são enganadoras, mas tão tentadoras, meu Deus… Nunca, mas nunca, se deve deixar um viciado com fácil acesso ao objecto da sua tentação, a disciplina e a mentalização ficam logo com as perninhas a tremer.

Uma solução possível para o problema era boicotar quem me boicota a dieta, ou seja, deitar tudo fora e pronto. Mas e depois quem é que me livra dos pesos de consciência, aquela que diz que a comida não é para deitar fora, porque temos que respeitar quem não tem o que comer e tal…

Andei dois dias nisto. Bolos no frigorífico: cada vez menos. Disciplina e mentalização: a minguarem tal e qual como o número de bolos no frigorífico. Iria acabar por comê-los todos se não fizesse alguma coisa para acabar com este ciclo vicioso. Há bocado fui-me a eles, comi dois, e a seguir pedi muitas desculpas às criancinhas da Etiópia mas espetei com o resto no caixote do lixo. Amanhã de manhã saem logo comigo a caminho do contentor, que é a única maneira de parar de pensar neles (mais uma infracção: o lixo deve ser sempre despejado à noite. Estão a ver como qualquer vício nos torna pessoas más?).

Era o que faltava. Afinal quem é que manda aqui em casa, eu, ou meia-dúzia de pastéis de nata?... Estou firme e hirta na minha opção por uma alimentação equilibrada e saudável! Fora, pastéis de nata, fora!

… Na verdade não eram só pastéis de nata... Também havia daqueles em forma de rim, cheios de creme por dentro, são dos que eu mais gosto... É melhor nem pensar mais nisto, senão ainda passo pela humilhação de os ir buscar de volta ao caixote. Estão metidos dentro da caixa, ainda devem estar bons… Não?...

4 comentários:

Big_Bada_Bum disse...

Mas que crime, mandar assim rins para o lixo, quando há tanta gula a precisar de um transplante de calorias! E então o que dizer dos pastéis de nata, que, a avaliar pela graciosidade com que, regra geral, são devorados, deixam na ávida boca a sensação de serem feitos de nada.

Carla Marques disse...

Para acabares de vez com esses problemas de consciência, conheço um sítio, mesmo por cima do IAC, que era capaz de apreciar umas bombitas de calorias... é que não se pode estragar nada e andar um bocadinho a pé até faz bem!

blimunda sete luas disse...

Bem vinda, cara amiga! Resolvido o problemazito dos comentários, hein? Se isso te faz sentir melhor, outra "chavala" das que por aqui andam andou às turras com o mesmo problema. De facto, já tinha estranhado este silêncio...

Quanto aos bolitos, pois o coro de protestos aumenta gradualmente. Estou a ver que ainda se cria alguma comissão pela defesa dos direitos dos bolos...

diasdemae disse...

Sacrílega!!!!
E tal como previas... Depois dizes que não andas obcecada, o que segundo o dicionário Universal da Texto Editora é: "Tornar contumaz no erro".
Já te avisei que não podemos ser radicais... principalmente quando se trata de coisas deliciosas como bolinhos miniatura... ou gelados de chocolate...Oops!